Vai pra Praia, tchê!

O papo de hoje é meio bairrista. Na verdade é muito bairrista. Tem cheiro de Sundown misturado com milho verde e peixe. Tem cor de areia misturado com a cor de chocolate do mar do litoral Gaúcho. Pois é. O inverno chegou e trouxe com ele a saudade das praias do RS onde esta, que vos escreve, aprendeu a amar todas as praias do mundo. Foi lá, na beira da praia de Tramandaí, onde tudo começou.

E não é porque as praias do RS são levemente desprovidas de beleza (assim, gentilmente falando), que deixam de matar de saudade os gaúchos que estão longe.

Com frio, também chega a época de pegar a estrada na sexta-feira, com a mala cheia de casacos, aproveitar os dias de sol na beira da praia seja surfando, tomando chimarrão com os amigos, passeando com o cachorro ou comendo bergamota ao sol. Tudo isso, é claro, acompanhado de uma conversa em um bom dialeto gaúcho que, muitas vezes, precisa de tradução. Peço licença aos meus leitores de todos os outros cantos do mundo, mas eu preciso matar a saudade escrevendo.

litoral RS

“Qual é a tua guarita?” (Para que assim seja possível encontrar os amigos nas praias que tem uma extensão gigantesca de areia).

“Tu vais pela Freeway ou pela Estrada Velha?” (Opções de rotas para se chegar às praias do litoral do RS).
“Me traz um sonho do Maquiné, por favor?” (Parada e ponto de encontro tradicional antes de chegar às praias com doces maravilhosos).

“Vamos fazer beira onde hoje?” (Quando se está decidindo para qual praia ir).
“Não dá pra conversar na praia. Comi areia com o nordestão”. (Ventania tradicional do RS que acaba com a beira de praia de qualquer veranista).
“Quer milho com sal e manteiga ou só sal? Não. Não tem milho no potinho. Isso só em Jurerê”. (Jurerê – SC)
“Alguém viu as minhas Havaianas?”
“Oh! Escuta! Lá vem o picolezeiro! “(Com sua tradicional corneta).
“Com essa friaca tá impossível dar o banho no pêlo!” (Quando o inverno chega, só mesmo com uma boa roupa de borracha para encarar o surf).
“Acabou a água do chimas. Pede lá pro tio do quiosque esquentar mais. Mas é um pila parece.” (Porque o chimarrão faz a gente ficar mais tempo na beira da praia, resistindo ao frio e socializando em alto nível).
“Guria, o Australian Gold tá em promoção na Panvel de Capão!” (As gurias piram com a promoção de protetor solar nas farmácias de Capão da Canoa!).
“Qual é o lote que já tá o ingresso de sábado à noite mesmo?! Puta merda!” (Quem quer fazer parte da noite do litoral gaúcho no verão precisa se agilizar ou vai pagar caro!)
“Pegou o dinheiro do pedágio?”
“A fila da padaria tá bombando. E parece que já acabou o cacetinho.” (Porque a padaria vira um evento no final de tarde. E o cacetinho?? Não é o que você pensa, ok? Estamos falando do famoso pão francês).
“Vou tomar banho no chuveirinho da rua porque a fila do banheiro tá foda.” (Quando a casa da praia é do avô e reúne a família toda, não durma no ponto e garanta seu lugar na fila do banho. E não demore no chuveiro para não derrubar a chave de luz e tomar banho frio).
“Alguém esqueceu comida na geladeira no último final de semana. Vou vomitar!”
“Já passou o cara vendendo a Zero Hora?”
(Ambulantes que passam vendendo jornal faça chuva ou faça sol).
“Será que o carro atola aqui ou posso passar?!”
“Minha casa? Barbada! Tá ligada na Paraguassú?” (Paraguassú: famosa avenida que liga as praias do Litoral Norte. Você pode até se perder, mas todos os caminhos te levam à ela).
“Crepe de palito ou o Crepe da Barra?” (No fim de tarde ou depois da balada, a dúvida é sempre entre os tradicionais crepes de palito ou o famoso crepe da praia de Imbé).
“A chave tá embaixo do tapete. (Os tradicionais esconderijos para as casas que “são de todo mundo”).
“Alô? Mãe, cheguei! Arrombaram a casa de novo. Roubaram os talheres dessa vez.”
“Vamos rapidinho ali pelo acostamento.” (Assim, como se ninguém tivesse vendo. Para tentar escapar do trânsito nos finais de semana de verão).

E claro, a expressão mais ouvida, dos 5 aos 75 anos, nas praias gaúchas:

“Olha o repuxo guria!!!” (Repuxo = correnteza)

Saudades do litoral gaúcho no inverno. Saudades de começar a tomar sol de manta e polaina e terminar de biquíni, sempre se protegendo da ventania com as cadeiras entre dois carros. Saudades das leituras de revistas compartilhadas, da galera no mar e do sonzinho rolando tranquilo. De todo mundo bem pertinho, amando a praia com ou sem verão.

Litoral RS

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “Vai pra Praia, tchê!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s