Recolhe teu lixo, mané!

Com a proximidade do verão, retomar a sessão Memorandos aqui do blog torna-se essencial.

Agora vem a época da turistada. A época dos desavisados. Aquele pessoal que de repente explode na praia fazendo barulho e você não sabe nem quando nem de onde eles vieram. Que te param na rua e perguntam para que lado fica o mar, qual é a melhor noite e onde tem um caixa eletrônico.

Quanta paciência é necessária para conviver com tantos estranhos nesse espaço democrático chamado praia.

Enfim, não sejamos tão intransigentes. Turistas levam além de bagunça, barulho e caixa de isopor, dinheiro, empregos e o movimento que é essencial para a sobrevivência dos nativos do litoral no restante do ano.  E, além disso, alguns são bem gatos.

Então, vamos lá…

Querido (a) turista!

Você que trabalhou o ano inteiro entre quatro paredes brancas, muitas reuniões e quase nenhuma janela. Você que ainda não teve tempo para pegar nenhum raio de sol no corpo e está louco (a) para adquirir aquele bronze para ficar com um ar de saudável. Você que se puxou o ano inteiro na academia e não vê a hora de fazer a exposição do corpinho na areia para que, finalmente, alguém valorize todo o seu esforço. Você que economizou o ano inteiro uma parte do salário para gastar tudo em caipirinha e camarão na beira da praia em dez ou quinze dias. Você aí que está contando os dias para o verão e para as suas férias!

Atenção!

Vai pra praia! Vai ser feliz! Aproveite as suas férias. Mas é o seguinte: quando o sol baixar, a cerveja terminar e a maresia chegar, RECOLHA SEU LIXO ANTES DE PEGAR O CAMINHO DE CASA!

Quem mora na praia ou está nela o ano inteiro promete tolerância para com as bagunças de vocês, com o barulho sem tamanho, com as bebedeiras e farofadas à beira mar e com o alto número de cabeças a mais dentro e fora d’água.

Mas tolerar lixo de turista na beira da praia é impossível. É o fim dos tempos! Deixar lixo na praia está fora de moda há muito tempo! Trata-se de cafonice e ignorância em alto nível e ninguém mais tem paciência com isso.

lixo_na_praia

Então te liga mané! Mesmo não parecendo, a praia também é tua e faz parte da tua obrigação como cidadão (ã) cuidar dela. Nada de lata de cerveja, embalagens de plástico de comidas, guardanapos, garrafinha de suco e, PRINCIPALMENTE, tocos de cigarro! Já é insuportável aguentar alguém largando fumaça no teu nariz sob um sol de 40ºC. Ter que instalar a canga em cima de tocos de cigarro ou ver seu filho fazendo castelinho de areia + cigarro está fora de cogitação.

Vai pra praia! Faz piquenique. Seja feliz sendo turista! Mas não esquece a sacolinha pra recolher teu lixo e levar embora contigo pra bem longe do mar.

lixo

Anúncios

Vai pra Praia Comigo! – O Golpe!

Você ama praia, certo? Certo. A beira do mar com os pés na areia é o seu refúgio, sua fortaleza, seu divã e seu parque de diversões. Você considera que ir para praia é o melhor convite que alguém pode lhe fazer, sendo que você está sempre disposto (a) a abrir mão de qualquer programação em prol de uma prainha. Assim como você também não costuma convidar qualquer um ou uma pra curtir a praia com você, já que esse é um assunto muito especial, certo? Certo também.

Levando em consideração todos os fatos constatados acima, quero dar início aqui a um manifesto público para expressar minha indignação e também para orientar os (as) praieiros (as) para que não caiam nesse golpe que está se tornando cada vez mais frequente.

A/C dos turistas e meros frequentadores das praias do mundo

Não brinquem com esse tipo de convite com um (a) praieiro (a). Esse é um tema extremamente sério para nós, amantes das praias.

Se você é daqueles (as) que gosta de ir pra praia apenas pelo fato de trocar de casa, de cama, jogar vídeo game, futebol, passar a tarde fazendo nega maluca, tomando cerveja, tomar banho de piscina ou visitar todas as lojinhas, NÃO CONVIDE UM PRAIEIRO PARA IR PARA A PRAIA COM VOCÊ porque vocês nunca vão se entender.

Ou pior ainda: não convide alguém que gosta muito de praia para viajar, sendo que vai chegar na hora e você vai desistir. Vai trocar a praia por uma faxina, um aniversário de criança ou por uma balada qualquer. Não faça isso! E, se por acaso você já fez, nunca mais faça!

Irritada sem praia

Não foram nem duas nem três vezes que tentaram me iludir com convites fakes pra ir pra praia. Vocês sabem o que isso significa? Não. Provavelmente não sabem porque não gostam de praia tanto assim. E nem precisam gostar! Mas não brinquem com um assunto sério desses, poxa! Imagina se a pessoa chega a fazer a mala?

Nem todo mundo precisa gostar de praia pelos mesmos motivos e nem com a mesma intensidade. Mas saiba respeitar quem gosta muito e que valoriza demais cada momento junto ao mar.

Blog Vai pra Praia!

Sunga Branca!

Homens maravilhosos do meu Brasil!

Nós mulheres sabemos que vocês, assim como nós, se preparam o ano todo para exibir um lindo corpinho no verão. Malham pesado, correm, regulam a cerveja, enfim. Temos muito orgulho de vocês por isso. Portanto, temos mais uma tarefa para incluir no projeto verão de vocês.

Por que todo esse esforço pra ficar muso não justifica cometer a gafe de chegar na praia vestindo uma sunga branca, certo?  Vamos falar mais sobre isso: sunga branca é o suprassumo da cafonice e do mau gosto. Não importa se você é gordo ou magro, branco ou negro, alto ou baixo, rico ou pobre, famoso ou anônimo, convença-se: sunga branca não fica bem em ninguém e ponto.

Por mais que ela seja nova, reconhecida como última tendência da moda no verão europeu, não. Que seja da marca mais foda de moda praia, não. Que tenha sido um presente da sua mãe, não também. Depois de um dia todo na praia ela fica cheia de areia, protetor solar e tudo mais que você queira imaginar. E aí você acha que entrar no mar com ela pode melhorar a situação, mas não. O quadro só piora. E se a peça for do verão passado então, nem pensar mesmo! Faça uma caridade para o mundo e jogue-a fora. E certifique-se de que o caminhão do lixo passou e levou pra não correr nenhum risco.

A menos que você queira ter toda a população feminina da praia falando mal de você. Ou melhor, da sua sunga.

E, se com todos esses argumentos citados acima você ainda não se convenceu e continua sentindo quedas pela sua sunga branca, achando que ela valoriza o seu lindo corpinho, aí vai um para finalizar: preze pela sua reputação. De nada adianta ser lindo, ter bom papo, encontrar uma gata na festa, se dar muito bem com ela, pegar o telefone, marcar encontro, fazer tudo certo, se você aparecer na frente dela na praia, no dia seguinte, usando uma sunga branca. Complicado, né? Vocês precisam se ajudar!

Susto

Então é isso! Valorize-se e diga não à sunga branca!

Deixa a mala pronta!

Pesquisando conteúdos para o blog na internet, cheguei à conclusão de que todas as dicas de como arrumar uma mala para a praia são exclusivas para o verão e para o período de férias.

Como assim? E nós que nas sextas-feiras de inverno ou verão partimos rumo ao litoral? Pois parece que realmente não fazemos parte da estatística. E isso me deixa particularmente feliz.

Posso estar enganada, mas acredito que os homens não tenham a mesma dificuldade que nós mulheres na hora de executar essa tarefa. Isso por dois motivos invejáveis: a maioria deles não tem cabelos compridos e nem usa maquiagem. E esperamos que vocês tenham consciência do quanto são seres beneficiados por isso.

Então, meu papo hoje é mais direcionado ao público feminino que arruma as malas na sexta e desfaz no domingo. Ou nem desfaz, né? A mala tem um lugar fixo no quarto e as roupas só vão sendo substituídas.

Começando pela parte externa da mala: a menos que você tenha um reboque, vá sozinha ou só com mais uma pessoa no carro, fica estritamente proibido levar uma mala quadrada e de rodinhas. Em hipótese alguma! Sua mala-defunto vai terminar com o rico porta-malas em poucos segundos e, se ainda tiver que levar cadeira de praia junto, alguém terá que ficar. Ou você, ou sua mala-defunto, ou sua cadeira. Melhor não arriscar. Além de serem completamente duras, as rodinhas das malas-defunto roubam um espaço disputadíssimo pelos demais usuários do porta-malas. Então já sabe: guarde-a para uma viagem de avião, seja solidária e pense no coletivo.

Outra reflexão importante é levar em consideração o fato de fazer noite ou não no final de semana. São Cristóvão, protetor dos motoristas e viajantes, agradece se você conseguir tomar essa decisão antecipadamente. Caso não tenha nenhuma programação noturna prevista, itens de sobrevivência feminina como chapinha, necessaire de acessórios e pinduricos, sapato de salto e as 48 possibilidades de looks que você levaria para te deixar em dúvida na hora de decidir já podem ser eliminadas. Fora as roupas e sapatos que você leva sabendo que não vai usar, mas pensando que alguma amiga sua pode precisar. Nunca se sabe.

Para curtir o dia, aposte em peças confortáveis, que sejam do seu estilo e que não se distanciem muito do estilo da praia. Uma legging tigrada é uma peça confortável, por exemplo. Mas vamos concordar que esse look não é nada a cara do litoral, certo?

Importante lembrar que é inverno, mas você, graças a Deus, vai passar o dia curtindo o sol. Então, se não tiver a sorte de esquentar a ponto de usar um biquíni, leve uma regata e um casaco quente para colocar por cima. Assim você já está preparada para quando o calor bater. Mas casaco quente. Nada de jaquetinha jeans que te deixam linda, mas não esquenta nada. Aí você vai congelar e querer ir embora antes de todo mundo. Nada a ver.

Tênis, meias e polainas são os mais indicados para os pés. Fica tudo lindo, quentinho e, caso a temperatura aumente, é bom levar Havaianas também. Porque em algum momento, mesmo sendo inverno, você vai querer colocar o pé na areia.

Para ficar em casa à noite, curtir um janta ou churrasco com os amigos, família ou namorado, aposte nas roupas confortáveis também. Moletons são sempre bem-vindos e, de preferência, se tiverem capuz. Ficam lindos! E você pode usar em casa e na praia.

Resumindo, vamos a nossa lista:

– Leggings (2)

– Regatas (2)

– Blusa de manga comprida (1)

– Moletom COM CAPUZ (1) #euamocapuz

– Casaco bem quente (1)

– Havaianas (1 par)

– Tênis (1 par)

– Polainas (1 par)

Além disso, itens básicos como sua necessaire, lingerie, pijama, toalha de banho e secador de cabelo caso o lugar que você vá não tenha. E, se você costuma passar muito frio assim como eu, não esqueça sua pantufa!

Agora deixo aqui uma superstição: mesmo que esteja um frio de cair geada e uma ventania de bagunçar os cabelos, NÃO DEIXE DE LEVAR pelo menos um BIQUINI! Mesmo que seja para não ser usado. Tenho certeza que ele atrai o sol e o calor pra perto de você.

Boa viagem, bom final de semana e boa praia!

mala

Não queime a largada!

Pra quem gosta de relaxar tomando umas e outras na beira da praia.

Vamos ao que interessa. Beber é bom. Estar na praia também. Então por que não juntar esses dois prazeres da vida em um único dia de sol? Se você não vai pra praia para tomar banho de sol, surfar, fazer trilha, tirar fotos, correr, fazer castelinho, jogar frescobol ou altinha, ler, vender artesanato, biquíni ou sanduiche natural, é compreensivo que, em algum momento do dia, você se sinta levemente entediado.

E, claro, você não está lá a trabalho e sim para relaxar. Nenhum problema em tomar uma cervejinha, um caipira ou até mesmo um espumante superbem estruturado embaixo do seu guarda-sol, curtindo a vida e as belezas naturais à sua frente.

Mas nem sempre é isso que acontece e, o que era pra ser um simples drink, pode acabar em tragédia social, incomodando todos a volta e fazendo você pagar  o maior vale da vida.

Pra não sair julgando ninguém aqui, vamos analisar alguns pontos que podem levar a essa situação.

1. O cidadão se apresenta na praia com um cooler cheio de cerveja pronto para passar o dia. Não precisa nem ter bola de cristal pra saber que essa história não pode acabar bem. O cara se agarra naquele cooler com tanto amor que só é capaz de se afastar pra ir até o mar fazer xixi.  Fica lá, sentado admirando a paisagem, cultivando a barriga e, se alguém por perto estiver escutando qualquer tipo de música, pode ter certeza que o cidadão vai se levantar, dançar de sunga e pedir para aumentar o volume. #deprimente

2. Amor a primeira caipira: pode acontecer. A moça vai até a barraquinha comprar uma caipira e o dono é simplesmente o muso do verão! Isso acaba fidelizando as clientes que, por sua vez, passam o dia comprando caipiras tentando alguma aproximação. Como se a tendinha vendesse só caipiras. Água de coco nem pensar. Enfim, quinze caipiras depois a pessoa mal consegue caminhar de volta até o seu guarda-sol, tenta insistentemente conseguir o facebook do muso, fica amiga de todos que também estão bêbados em volta da barraca, conta histórias que só ela acha graça, esbarra em outros clientes, derruba o milho das crianças na areia e por aí vai. #vergonhaalheia

Nas duas situações o final é trágico. E o que você ganha com isso além de uma bela ressaca? A fama de turista desavisado e sem noção. Ah! Ganha muito espaço na areia também. Porque todos vão querer ficar bem longe de você.  Além, é claro, de acordar no dia seguinte com um bronzeado exótico, pois bêbados são capazes de criar verdadeiras obras de arte em seu próprio corpo ao passarem protetor solar.

Vai chegar em casa e, enquanto todos se preparam pra curtir a noite, você estará impossibilitado e desmaiado no sofá, na rede ou onde seu equilíbrio lhe permitir chegar. Pra que, né?

Então fica aqui o recado: arrume algo pra fazer na beira da praia. Assim você terá menos tempo livre pra beber, ok?! Ao contrário do que defendeu o Naldo no verão 2013, vodka e água de coco não tem o mesmo efeito. Pode acreditar.

358349_7469

Música à beira-mar

E aí, você se mata de trabalhar o ano, o mês ou a semana toda, contando os dias pra botar o pé na estrada e curtir uma praia por poucos ou muitos dias e dar um sossego pra cabeça e, quando chega na beira da praia, descobre que seu vizinho de guarda-sol tem o sonho de ser DJ e toca uma música pra praia toda ouvir.

E o que é pior: esse tipo de gente desconhece surf music ou qualquer ritmo musical mais relacionado à paz de espírito.

Então, se você é desse tipo de espécie, que curte chegar na praia e tocar o terror musical, espalhar pra todo mundo seu gosto por música eletrônica, house music, funk, pagode ou sertanejo, aqui vai um aviso: VÁ SE CATAR!

#Você não está sozinho no mundo cara pálida!

#No ano de 1958, foi lançado um produto revolucionário chamado fone de ouvido, que permite que cada cidadão curta sua música, seja ela qual for, sem perturbar os demais.

#Existem praias próprias para o seu perfil escandaloso. Porto Seguro, por exemplo, é uma boa pedida. Lá você pode gritar, cantar e dançar na beira da praia que vai parecer o ser mais normal do mundo. Nada contra esse tipo de praia. Mas, como todos sabem,  aqui não é o lugar pra se falar sobre isso.

A praia é um lugar público, que todos podem frequentar sem distinção de raça, religião e partido político. Mas lembre-se que cada um quer ser feliz no seu m2 de areia. Não perturbe a paz do outro com a sua música chata e alta porque amanhã pode ser que seja você quem vai estar de ressaca na beira da praia precisando dormir ou simplesmente querendo usar o silêncio e a paisagem para botar as ideias em ordem.

Ficou claro?! Então agora SCHHHHH!!!

music